Sentar-me e poetar

Muito quer, por vários ditos
O meu amigo leal
Rotular-me os escritos
Como outros, afinal

Como se botar um nome
Em cima desse produto
Prevenisse toda a fome
Peste negra ou escorbuto

Preenchido tal vazio
E perfilhada a criança
Já podia descansar

E aceso esse pavio
Com toda a santa pujança
Sentar-me e poetar…

Manuel Sadino
22/8/11

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s